quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Entrevista com a atriz Juliana Eiras

A entrevista de hoje é com a atriz e minha grande amiga, Juliana Eiras.


- Nos fale sobre você.

 Meu nome é Juliana Eiras, tenho 18 anos, sou de Cosmópolis (SP), estudante de Teatro (estou no último ano do Técnico õ/), faço curso de Mímica, participo em três grupos teatrais, acho que dormir deveria ser um hobbie e não uma necessidade (nós passamos 1/3 da vida dormindo! UM TERÇO), sempre faço cronogramas semanais que nunca são seguidos a risca e eu adoro banana frita.

- Quando você começou a se interessar por teatro?

Na verdade, eu sempre fui uma pessoa que vai se enfiando em tudo que é projeto, curso, atividade (principalmente, se for de graça), onde eu vá aprender algo. Eu assisti algumas peças de teatro e gostava, mas nunca me veio o desejo "Quero ser atriz!" (Na verdade, isso aconteceu só no ano passado). Eu entrei a princípio por curiosidade mesmo... Foi assim: Eu estava na escola, comentando com a minha amiga o quanto a vida estudantil poderia ser melhor se tivesse aulas de música, culinária, dança e teatro. Quando, de repente, entrou na sala de aula um grupo chamado Uriellos, divulgando o projeto Alunos em Cena, que começaria na semana seguinte. Sim, foi cinematográfico (risos). Na época eu fiquei um pouco indecisa, porque nenhum dos meus amigos queriam entrar no curso comigo. Mas como eu tinha vontade de fazer, e depois de sermões da minha mãe dizendo que eu tinha que começar a fazer decisões por conta própria, eu acabei entrando (definitivamente) :)

O Pastelão e a Torta - 2013 e 2014

- Como e quando você começou a estudar teatro?

Eu estudo teatro desde 2010, nesse projeto que comentei. Agora, como técnico, desde 2013, no Conservatório Carlos Gomes. Meu amigo comentou que iria estudar lá e eu fiquei com vontade também (risos). Daí começou o mesmo processo: fiquei indecisa, minha mãe me deu sermões (agora eu aprendi, gente, sério) e eu fui fazer o teste quando teve a terceira chamada. Passei e foi a melhor decisão da minha vida <3

- Quantas peças você já fez? Se lembra do nome de todas?

Sim, eu lembro (minha pasta de roteiros não me deixa esquecer também). Já atuei em 11 peças e atualmente estou em três novas montagens.Também trabalho como contadora de histórias, além de bicos em alguns curta metragens e cenas curtas.

Os Fuzis da Senhora Carrar - 2013

- De todas, qual (is) mais te marcaram?

Cada uma te deixa com uma lembrança em especial, alguma lição que você tirou, o que você sentiu e viu enquanto estava trabalhando... É um aprendizado constante e cada peça mexe em algum lugar novo dentro de você. Mas tem uma, "Os Fuzis da Senhora Carrar", de Brecht, que me exigiu bastante, até pelo fato de eu ser muito nova para a personagem, no caso, a Tereza Carrar. A história se passa no meio da guerra civil espanhola e conta sobre uma família formada por uma mãe, Tereza, e seus dois filhos, pois o pai havia sido morto na guerra. E há o conflito entre a mãe e seus filhos, que querem lutar na guerra e ela os proíbe. A história exige um clima bem denso, pelo fato deles estarem em guerra e pela pressão, não só dos filhos dela, mas também do seu irmão e de seus vizinhos para que ela os deixe lutar. Provavelmente, eu não atingi a dramaticidade necessária para a Tereza, por falta de experiência de vida. Mas eu me esforcei muito na época, tanto que eu acabava a peça em crise de choro, por causa da história. Ela foi essencial no meu aprendizado, pois foi onde eu percebi que uma personagem exige uma carga muito grande de nós e um cuidado especial em compreendê-la.

- Você tem alguma meta na sua carreira?

Melhorar, aprender mais, e conseguir passar esse conhecimento, serve? (risos)

Fukay- 2013 a 2015

- Qual o personagem foi mais difícil de interpretar?

Além da Tereza, teve uma peça em que eu penei bastante também. Chama-se "La Escoria" de Michel de Ghelderode. É uma peça expressionista e exige um preparo corporal e uma resistência física que eu não tinha na época (risos). Na verdade, ainda não tenho, mas um dia terei. Isso também é uma meta ;) 

- Tem algum tipo de personagem e/ou alguma peça que você não fez, mas tem muita vontade de fazer?

Eu ADORO personagens onde eu posso brincar com a voz e com o corpo, sem compromisso com a realidade. Um trabalho que eu quero me aprofundar é com a Commedia Dell'arte! (eu JURO que não programei essa rima)

Contação de histórias "A Cigarra e a Formiga" - 2014

- Você pensar, algum dia, trabalhar na TV ou cinema?

No momento, eu estou bem focada no teatro. Mas eu gostaria de fazer algum trabalho no cinema. Se um dia aparecer alguma oportunidade, é algo há ser pensado.

- Alguma mensagem para os nossos leitores?

Se vocês têm vontade ou curiosidade em aprender teatro, arrisquem-se. Mesmo que vocês não tomem isso como carreira profissional, eu tenho certeza que algo de bom irá ficar pro resto das suas vidas. Ninguém sai do teatro igual como entrou. O teatro humaniza, une , desafia... E é muuuuuuuuito legal! :P



Caso vocês sejam do interior de São Paulo não deixem de conferir a tabela das apresentações do grupo teatral Dond'art do qual a Ju faz parte ou se simplesmente ficaram curiosos para conferir mais fotos aqui vocês encontram a fanpage e o site do grupo. Ah, e aqui a fanpage do outro grupo (Desatino do Astrolábio) do qual ela faz parte também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião nos comentários!

Tecnologia do Blogger 2014-2016